sexta-feira, 20 de abril de 2012

Sr. Monsto



Descobrir uma traição é como apagar algo com corretivo, penso eu, o papel pode até ficar marcado para sempre, mas ninguém consegue mais ver o que há por baixo, apaga tudo junto. Até mesmo o que existiu de verdade, passa a não existir. Quem dirá no nosso caso, mentindo desde o primeiro ''não'' . O pior erro do infiel é não se contentar com um prato e querer logo o buffet todo. Mas olha, Sr Monstro, devo te dar parabéns, em apenas um ano, você conseguiu o título de maior babaca de todos os tempos na vida de duas mulheres. E na vida de duas mulheres bacanas, sabia ? 
Foi bom, apesar de tudo, descobrir que foi tudo mentira, que seus choros não valiam uma nota de três reais e suas palavras nada mais eram do que parte do seu teatro de marionetes.
Sabe, Sr Monstro, eu até te sinto. Te sinto de tantas maneiras, Monstro. Te sinto em forma de mágoa, de nostalgia-do-não-vidido, de risada, de fumaça, de prazer, de ódio. Às vezes, te sinto sem saber. No meio da aula de Física, no último gole de alguma bebida que você me ensinou a tomar, na gargalhada. Só te sinto, Monstro. E isso, talvez, seja mais forte do que o - usado, destruído e sujo - amor. Te sinto com arrependimento por ter achado que era, de fato, o tal amor.
E no final das contas, eu realmente vou me lembrar de você enquanto eu respirar, como o cara que não me merece nem como inimiga. Sinto muito por você ter que conviver com você mesmo, todos os dias, já deve ser castigo suficiente pelo mal que me causou.

Não mudo, não mudo e você por favor, mudo.

By: amigadeclarice.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário